Em tempos de pandemia e isolamento social, os pais têm buscado formas para entreter e divertir as crianças sem precisar sair de casa.

Muitos recorrem à filmes e desenhos animados, outros a jogos eletrônicos… todos buscando opções viáveis para trazer entretenimento e diversão para as crianças.

Com o aumento dessas buscas, surgiu uma nova opção: Podcast para Crianças.

Mas afinal, o que é um podcast?!

O conceito de podcast é quase o mesmo de um programa de Rádio, mas com algumas diferenças. Como por exemplo, ele pode ser gravado e reproduzido quando e onde quiser. Há alguns podcasts que inovam ainda mais e além do áudio, também transmitem a imagem dos entrevistadores e entrevistados.

Atualmente há mais podcasts direcionados para o público jovem e adulto, entretanto a criançada já está tomando seu espaço nesse mundo e podcasts com conteúdos infantis têm se tornado uma ótima opção para as crianças terem entretenimento e diversão durante esse período de pandemia e isolamento.

Gostou dessa opção e quer experimentá-la com seu filho?! Então aqui vai uma indicação de podcast infantil.

“Deixa que Eu Conto” é um podcast educativo que foi elaborado pela UNICEF e, atualmente, vem sendo apresentado por Carol Levy e Kiara Terra.

O podcast conta com diversos conteúdos educativos, com linguagem infantil para prender a atenção das crianças do começo ao fim. Você consegue acessar o podcast através do YouTube, vale muito a pena!

Ei, chegamos ao fim… Gostou? Então vá correndo contar para o seu filho essa novidade.

Em um mundo cada vez mais tecnológico as crianças parecem só ter olhos para computadores, tablets e smartphones.

Como pais, no entanto, é necessário incentivar os filhos a fazer atividades fora do mundo digital para que o desenvolvimento da criança seja completo. Desde atividades físicas à brincadeiras e jogos de tabuleiro, a diversificação de passatempos é essencial para que os momentos lúdicos da criança sejam aliados ao aprendizado e crescimento pessoal.

Um dos exemplos mais clássicos de brincadeiras educativas que trazem benefícios às crianças é a montagem de um quebra-cabeça.

Pensando nisso, preparamos esse artigo para que você conheça os principais benefícios dos quebra-cabeças para o desenvolvimento dos puerinhos.

Está esperando o que para conferir?

Trabalha a cognição

Por serem estimulantes para o cérebro os quebra-cabeças acabam sendo poderosos aliados no quesito cognitivo.

A cognição é a habilidade de armazenar novos conhecimentos e, a partir dele, obter algum tipo de aprendizado.

Pense, afinal de contas, que o nome quebra-cabeça foi dado por um motivo: esse passatempo faz com que a criança exercite o cérebro e desenvolva habilidades de memória, raciocínio e lógica.

Desenvolve a coordenação

Encaixar as peças de um quebra-cabeça é uma das melhores maneiras de desenvolver habilidades motoras e controle mão-olho. Isso porque, já que ainda não têm noção da distância e manipulação de objetos, as crianças precisam desenvolver essas proficiências para conseguir montar o quebra-cabeça.

O movimento de pinça que fazemos ao juntar o indicador e o polegar para segurarmos um objeto, por exemplo, é uma das habilidades desenvolvidas no jogo.

Aumenta os níveis de percepção

Os quebra-cabeças são passatempos que vão incentivar os puerinhos a observar, analisar e comparar tamanhos e cores para conseguir completar o jogo.

E é por isso que os níveis de percepção da criança se desenvolvem.

Além de serem cruciais na infância, é claro, os níveis de percepção serão importantes durante toda a vida já que, ao longo dos anos, os puerinhos vão acabar se deparando com situações que demandam essa habilidade psicológica.

Promove a interação com a família

Os quebra-cabeças são ótimos passatempos no quesito estreitamento de laços familiares, já que acabam sendo um momento relaxante e tranquilo para que as crianças conversem com os pais e outros membros da família.

Além de ajudar no desenvolvimento físico e psicológico, então, esse passatempo é essencial para estimular as habilidades sociais de convivência e diálogo.

Vale ressaltar também que o quebra-cabeça pode ser resolvido por mais de uma pessoa ao mesmo tempo, o que também ajuda a criar um senso de colaboração e trabalho em equipe nas crianças.

Aumenta a capacidade de resolução de problemas

Enquanto seu filho raciocina e tenta desvendar as formas e cores corretas para que o quebra-cabeça tenha um encaixe perfeito ele acaba desenvolvendo bastante a habilidade de resolução de problemas.

Além do período da infância essa habilidade é indispensável ao decorrer da vida de qualquer pessoa, já que nos deparamos constantemente com situações adversas e obstáculos a serem superados.

Esses são os principais benefícios da montagem de quebra-cabeças para as crianças.

Agora você sabe que, além de ser uma maneira divertida de incentivar as crianças a saírem um pouco do ambiente virtual, esse passatempo ainda ajuda no desenvolvimento dos pequenos.

E aí, o que está esperando para montar um quebra-cabeça com o seu puerinho?

O final das férias está chegando, e com isso vem aquela vontade de aproveitar ao máximo o restante do tempo de descanso e relaxamento.

Para os pais, especialmente, as férias escolares são um momento de estreitar laços e passar mais tempo com os filhos, criando memórias e momentos especiais que vão durar para sempre. Para as crianças, é claro, é hora de brincar, aproveitar e, principalmente, recarregar as energias para mais um ano letivo.

Pensando nisso, fizemos uma lista de dicas para que você e seu filho aproveitem esse final de férias em segurança e sem preocupações.

– Cuidados com a pele: para as crianças que amam a praia e o sol, é indispensável o uso contínuo de protetor solar. Lembre-se de aplicar o produto de maneira uniforme e reaplica-lo de duas em duas horas, já que a água do mar vai removendo o produto da pele com o tempo. Além disso, mantenha seus filhos com blusas de mangas compridas e bonés na maior parte do tempo.

– Hidratação: as altas temperaturas do verão fazem com que as crianças percam sais minerais e se desidratem com frequência. Por isso, mantenha seus filhos hidratados com água, água de coco e sucos naturais. Evite refrigerantes e outras bebidas gaseificadas, já que a ação delas não auxilia contra a desidratação.

– Digestão: é muito comum que o tempo de digestão não seja respeitado no verão, já que a maioria das crianças quer voltar para o mar ou para a piscina o mais rápido possível. Por isso, assegure-se de que seus filhos aguardem o tempo mínimo de uma hora para realizar a digestão completa antes de voltarem a brincar.

– Se proteja contra insetos: as temperaturas quentes e o aumento da chuva são fatores que aumentam a proliferação de mosquitos, portanto, durante o verão, passe repelente na pele dos seus filhos para protegê-los contra picadas e possíveis alergias. A maioria dos repelentes pode ser aplicada até três vezes por dia.

– Ar-condicionado: a utilização do ar-condicionado aumenta exponencialmente no verão, já que essa é a época mais quente do ano. É importante lembrar, no entanto, que o ar-condicionado resseca o ar do ambiente no qual é utilizado e, por isso, é importante que seja feito o uso simultâneo de um umidificador de ar ou até mesmo uma bacia de água no ambiente.

Essas são dicas importantes para que você e seus filhos curtam o final do verão sem se preocupar com nada. Aproveitem esse tempo para descansar o corpo e a mente além de, é claro, estar juntos.

O que você está esperando para aproveitar o restinho das férias com seus filhos?

Momento para os adultos relaxarem após um longo dia de trabalho, o banho tem sido um vilão para as crianças. Provavelmente, você já passou por essa situação e encarou uma guerra para dar banho em seu filho. Tudo isso acontece em meio à choro, birra, gritos e reclamações. Dessa forma, o momento para deixar seu pequeno limpo nem sempre é algo muito agradável para pais e filhos.

Esse vilão chamado banho, pode se dar pelo fato de medo ou incômodo, quando acontece com crianças pequenas. À medida em que eles vão crescendo, esse fato de não querer, pode ser relacionado ao questionamento das regras. Existe, também, a possibilidade de ser um tempo perdido, quando poderia estar brincando ou fazendo algo de acordo com o seu gosto.

Primeiramente, é recomendável que você identifique os motivos para que seu filhe rejeite o banho. Assim, irá lhe trazer mais facilidade para resolução do problema. Se o seu filho já fala, busque métodos de diálogo para encontrar a razão para ele não preferir tomar banho. Caso ele não fale, esteja atento às possíveis reações quando o assunto banho é colocado em pauta.

Algumas dicas irão possibilitar um momento mais prazeroso para ambos no momento do banho. A organização do local é importante para que o pequeno se sinta à vontade; lave o cabelo no início do banho; não se apegue aos horários, tente ser flexível; evite chantagens; não pegue-os de surpresa; conforme crescimento, dê a ele mais autonomia. Dessa forma, você irá melhorar o convívio, e transformar a hora do banho em um momento de pura diversão.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog diariamente.

Fonte: leiturinha

Imagem: canva

Com a chegada do segundo filho, existe a possibilidade do primogênito sentir ciúmes e falta de atenção. Os pais ficam com medo dele se sentir rejeitado e acabam ficando inseguros, sem saber o que fazer.
Conheça algumas maneiras que podem influenciar no desenvolvimento afetivo da criança com o novo filho, e confira algumas situações que podem ser evitadas:

• Em diversos casos, os pais não sabem lidar com essa situação. Uma dica é não deixar criança sentir falta dos pais, se esforcem ao máximo para que ele se sinta acolhido e não careça de atenção.


• Passeios e ações que estimulam o lazer da criança, são importantes no processo de adaptação com mais novo integrante da família. A antiga rotina não deve ser alterada, os momentos de alegria e entusiasmo do primeiro filho irão trazer resultados satisfatórios para todos.


• Sabemos que um bebê precisa de muita atenção dos pais, mas não deixe de estar no momento importante da criança, tais como: no dever de casa, no esporte, refeição e na chegada da escola.


• Estimule seu filho a ajudar nos cuidados do bebê. Dessa forma, os laços entre os dois poderão ficar ainda mais firmes. Essas pequenas atitudes como: pegar a chupeta, ajuda na hora do banho, e carinho com o pequeno, irão ajudar na construção de uma boa relação entre os irmãozinhos.


• Durante a gestação, sempre converse com a criança sobre a chegada do irmãozinho e de como será essa nova experiência. É importante que a criança participe da escolha do nome, das roupas, do carinho e da decoração do quarto. Assim, ele se sentirá conectado e preparado com a chegada do irmão.


Garanta uma ótima convivência entre os irmãozinhos. Como em todas as transições, é preciso entender que cada criança tem o seu ritmo. Estimule a adaptação do primeiro filho com o novo integrante da família de forma agradável e sem estresses.

A Pueri Dei está disposta a ajudar essa nova fase da família, buscando deixar o seu filho tranquilo e feliz com a chegada do novo bebê.

Conheça nossa escola!
Ademais, continue acessando nosso blog.
Fonte: revista crescer.
Imagem: canva

Atualmente vivemos em contato com diferenças a todo tempo, seja na escola, na rua ou entre os familiares. Conhecemos e convivemos com pessoas sempre! Por isso, é fundamental que ensinemos as crianças a respeitar as diferenças. Confira abaixo 3 maneiras de ensinar sobre tolerância para os pequenos:

Evite destacar as semelhanças entre as pessoas

Quando ressaltamos e elogiamos as pessoas apenas por terem escolhas e opiniões semelhantes, as crianças podem assimilar que o ideal ser parecido com alguém. Portanto, tenha cuidado ao ressaltar e falar sobre as diferenças. Busque sempre deixar claro que, além de naturais, elas são positivas para o equilíbrio entre as pessoas. Além disso, ouvir e conhecer o mundo com o olhar dos outros é uma ótima maneira de ampliar horizontes.

Incentive a empatia

A habilidade de se colocar no lugar dos outros é uma qualidade e tanto. Nos colocando no lugar da outra pessoa, conseguimos entendê-la melhor e respeitar suas escolhas. Por isso, é interessante que estimulemos essa habilidade nas crianças.

Respeite a criança como ela é

O primeiro passo para ensinar e falar sobre tolerância e respeito é respeitando as crianças. Portanto, busque, sempre que possível, respeitar as escolhas dos pequenos. Entretanto, aproveite para ensiná-lo que o respeito é uma via de mão dupla.

A Pueri Dei ensina as crianças, diariamente, maneiras de respeitar e tolerar as diferenças.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog diariamente.

Fonte: leiturinha

Imagem: freepik

Hoje é o Dia Nacional da Língua Portuguesa! A capacidade de usar o português é ensinada às crianças desde cedo. Habilidades como escrita, fala, leitura e interpretação devem ser estimuladas nos pequenos, já que essa é nossa língua materna. Além disso, o acompanhamento dos responsáveis e dos pedagogos é fundamental para o processo de aprendizagem das crianças. Por isso, no post de hoje vamos mostrar opções de atividades que estimulam esse aprendizado. Confira:

Incentive as mais variadas formas de expressão

Seja por meio da escrita, da fala, da música ou até mesmo por meio de desenhos, é essencial estimular que a criança se expresse. Essas são algumas das maneiras úteis para o pequeno evidenciar criatividade e seus sentimentos. Além disso, com o passar o tempo essas formas de expor emoções irão se aprimorar e se ajustar às normas padrão da língua portuguesa. Assim, ele desenvolverá frases mais coerentes e falas argumentativas.

Use a tecnologia a favor do aprendizado

Atualmente existem alguns jogos online que estimulam o reconhecimento dos símbolos gráficos e realizam a correção da ortografia. Eles, ainda, apresentam novos vocabulários e diferentes formas de conjugação verbal. Por isso, a tecnologia uma boa aliada para o aprendizado da nossa língua.

Comunique-se usando o português adequado

Em ambientes informais é comum que não haja tanta preocupação com a correção gramatical ou mesmo com a pronúncia. Por isso, é comum que responsáveis e familiares utilizem linguagem com gírias e até mesmo vocabulário popular. Esse hábito aproxima os integrantes da família, porém acaba estimulando a criança a aprender o português informal. Por fim, é importante ressaltarmos que os pequenos observam as atitudes dos adultos e aprendem com elas.

A Pueri Dei, há 22 anos, estimula o aprendizado da língua portuguesa para as crianças! Aqui os puerinhos aprendem a escrever, interpretar e ler e saem daqui prontinhos para os aprendizados que receberão no ensino fundamental.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog diariamente.

Fonte: novosalunos

Em algum momento da vida você já deve ter pensado: “se meu filho ficasse no meu lugar e soubesse o que eu passo tudo seria tão mais fácil…”. Da mesma forma seu pequeno já deve ter pensado: “meu pai não entende o que estou passando”. Primeiramente, essa discordância e essa sensação de que o outro não sabe como é ser eu é normal.

Como, então, estimular a empatia?

Uma brincadeira em família é capaz de divertir, criar memórias e, acima de tudo, unir os familiares. Assim será possível cada membro perceber e entender os problemas do outro. Uma atividade que estimula a empatia é o Jogo dos Papéis.

A brincadeira funciona como?

  • O primeiro passo é escrever os nomes de cada membro da família em papeizinhos, como costumamos fazer em amigo secreto no fim do ano. Os papéis devem ser cortados, dobrados e guardados em um potinho;
  • O condutor do jogo (que pode mudar a cada rodada da brincadeira) propõe uma situação hipotética como: “quero continuar brincando ao invés de tomar banho”, “não quero comer salada”, “quero ver TV até mais tarde” e outras situações que acontecem dentro de casa;
  • Sem mostrar qual foi o papel sorteado, as pessoas da família têm que agir conforme ele. Por alguns instantes o filho agirá como pai, a mãe virará o filho e assim sucessivamente;
  • A brincadeira mostra de forma prática como a dinâmica da vida da outra pessoa é desafiadora. Por isso, após cada rodada é normal que surjam algumas emoções. Portanto, ao final é um momento de sentar e conversar, abraçar e demonstrar carinho. Nesse momento é importante agir conforme o coração mandar.

Hoje em dia falar sobre sentimentos é algo raro entre as famílias. Exercitar a empatia é a chave para que o lar tenha uma convivência boa e harmoniosa. Use uma atividade como essa para trazer ainda mais alegria para sua casa! Você e sua família merecem!

Ademais, continue acessando o blog da Pueri Dei para ter acesso a mais dicas como essas.

Fonte: leiturinha

Imagem: freepik

Compartilhar e dividir as coisas faz e fará parte de nossa vida em sociedade. Independentemente de serem filhas únicas ou de fazerem parte de uma família extensa, as crianças um dia precisarão dividir as coisas. A tarefa de compartilhar objetos e até mesmo brinquedos pode ser difícil para elas. Por isso, durante o desenvolvimento dos pequenos podemos pensar: devemos ensinar as crianças a dividir os brinquedos? Portanto, no post de hoje falaremos mais sobre esse assunto. Confira:

A descoberta de si mesmo

Durante os três primeiros anos de vida, as crianças ainda estão descobrindo sobre elas próprias. No início, o pequeno entende que ele e a mãe são uma só pessoa. Após dois anos ela passa a se ver como indivíduo independente. Nesses primeiros anos a criança possui pouca memória.

Por isso, gosta de ver várias vezes um mesmo desenho, repete o mesmo ato e ouve com a mesma empolgação uma única música. Dessa forma, ela passa a se entender e começa a aprender as coisas através da repetição.

Dividir é importante para ela?

Para a criança, o ato de dividir não é algo fundamental. Isso é normal, pois ela simplesmente aprende o mundo através da experimentação e através da repetição. É comum que o pequeno veja algo que chame atenção e queira pegar, tocar, sentir e colocar na boca. Se outras crianças estiverem juntas, é provável que todas elas queiram conhecer o objeto também. Por esse motivo elas podem acabar querendo o mesmo brinquedo.

Nessa fase as crianças ainda não estão preparadas para compartilhar da maneira como nós, adultos, esperamos. Por isso, é interessante respeitarmos o momento de cada uma delas. Mais tarde elas aprenderão a dividir.

Outra criança chora querendo o mesmo brinquedo. E agora?

Uma possível solução é redirecioná-la, caso quem está com o brinquedo não queira dividir. Ofereça ao pequeno outra atividade, algo diferente.

Se grande parte do aprendizado das crianças advém da repetição, podemos ensiná-las a compartilhar exercitando essa arte entre nós, adultos, na frente delas! Ofereça participar das brincadeiras, das refeições e de momentos de descontração. Assim, aos poucos elas passarão a ver o ato de dividir como algo normal.

Quando dividir vira algo natural para os pequenos?

A partir dos cinco anos de idade as crianças passam a brincar juntas. É nessa fase que elas passam a ter uma ideia estruturada do que é uma brincadeira coletiva. Ou seja, se divertem compartilhando brinquedos e atividades com as outras. Nesse momento, o dividir se torna algo natural para ela.

A Pueri Dei estimula a empatia e o compartilhamento de experiências, brinquedos e brincadeiras entre os puerinhos.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog.

Fonte: leiturinha

Imagem: freepik

No dia a dia não costumamos reparar, mas todas as palavras do nosso vocabulário possuem uma estrutura sonora. O ato de falar nos é tão comum que esses detalhes acabam passando despercebidos. Portanto, acabamos nos esquecendo do quanto falar é uma tarefa complexa.

A habilidade de articular é chamada de consciência fonológica. usar estratégias que facilitem o entendimento das crianças colabora com a alfabetização e a comunicação. Por isso, no post de hoje falaremos sobre como é possível estimular essa consciência nos pequenos. Continue lendo para conferir!

Primeiramente, é importante ressaltarmos que esses estímulos são oferecidos por pedagogos nas escolinhas. Porém, eles podem (e devem) ser iniciados bem antes do pequeno frequentar a escola. Isso porque, o desenvolvimento infantil é favorecido quando os responsáveis estão engajados.

Por isso, uma dica interessante é sempre pegar objetos dos quais está falando e colocá-los perto da criança. Dessa forma, graças à esse apoio visual, ela começará a construir ideias concretas em sua mente.

Como dar estímulos?

É possível aguçar o interesse por sons através do uso de jogos e de músicas com rimas. Um exemplo de canção útil é a do “sapo não lava o pé”. Isso porque, essa musiquinha, á medida em que se repete, alterna as vogais da frase toda. A função estratégica dessa brincadeira é justamente gerar essa consciência fonológica.

As rimas são ótimas ferramentas, pois a maioria das crianças desenvolve mais rapidamente sensibilidade à elas. Dessa forma os pequenos passam a assimilar melhor as semelhanças e diferenças entre as palavrinhas.

Os jogos e as atividades musicais da Pueri Dei despertam e aperfeiçoam todas as habilidades dos puerinhos.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog diariamente.

Fonte: leiturinha

Imagem: freepik