Posts

A escrita espelhada trata-se de uma escrita invertida (da direita para esquerda), que é muito comum durante o processo de aprendizado da escrita e alfabetização. Assim que a criança começa a escrever as primeiras palavras essa troca irá aparecer algumas vezes, mas caso ela cresça e mantenha esta característica, é preciso se atentar a esta questão. Por isso, vamos explicar um pouco sobre as causas deste tipo de escrita e o que se pode fazer para mudar este quadro.

A primeira possível causa da escrita espelhada é o problema de algumas crianças, principalmente as canhotas, com a lateralidade. De acordo com especialistas, isso ocorre pois há uma preponderância de um hemisfério do cérebro, sendo o hemisfério direito no caso das pessoas canhotas. Sendo assim, é normal que crianças canhotas desenvolvam essa maneira de escrever, já que é algo natural delas, pois estão agindo de acordo com sua forma de ver o mundo e executar as ações.

O outro fator que gera essa característica, é um problema em relação a percepção. Entre os 4 aos 7 anos acontece o processo de desenvolvimento da percepção e das habilidades motoras. Dessa forma, as crianças nesta fase têm maior dificuldade em reconhecer todas as formas das letras ou passá-las para o papel.

Por fim, é preciso destacar que a escrita espelhada está associada à dislexia, mas ela não é um sintoma exclusivo desse transtorno. Assim, pode ser que seja apenas uma dificuldade momentânea, já que a criança está em processo de construção da escrita. Mas de qualquer forma, esteja atenta a outros sinais que possam surgir e estejam relacionados a tal transtorno.
Diante desta situação, existem várias atividades que podem ser feitas para ajudar os pequenos neste processo, e separamos algumas delas para vocês se inspirarem:

-O primeiro passo é identificar quais letras a criança tem mais dificuldade de lembrar ou de passar para o papel.

-Utilize um giz para desenhar uma letra no chão e peça para que a criança caminhe sobre a letra, seguindo a ordem dos traços.

-Passe o dedo nas costas do pequeno formando alguma letra e peça para que ele adivinhe qual é.

-Desenhe letras grandes e ocas para que a criança possa pintar por dentro dos espaços ocos, e entenda melhor sobre as formas corretas.

-Lembre-se de depois, deixar ela tentando escrever as letras sem apoio visual ou de outra pessoa.

Visando sempre o melhor desenvolvimento dos pequenos, nós da Pueri Dei praticamos diversas atividades que são essenciais para tal aprendizado. Incentivando as crianças a treinarem a lateralidade (direita e esquerda), entenderem os conceitos de noção espacial, simetria, e outros aspectos necessários para o aprendizado pleno da escrita.

Muitos pais percebem em seus filhos uma dificuldade maior na comunicação, e preocupam-se com o fato do pequeno não falar tanto. Para mudar este quadro, a mudança deve ocorrer principalmente nos hábitos da família.

Faça com que ele sinta necessidade de se expressar.

Um dos motivos deste problema pode ser o fato do pequeno não estar sentindo realmente necessidade de falar, e por isso é preciso que os pais os estimulem a isso. Um exemplo disso seria quando o filho tenta pedir algo apenas apontando para o objeto, neste caso, mesmo que você entenda o que ele quer, diga que não entendeu para que ele tente expressar o que deseja.

Tente aproveitar ao máximo os momentos de interação de vocês para treinar a fala

É necessário que os pais deem mais atenção a esta questão em seus momentos de interação, como na hora de tomar banho, se vestir ou comer. Por exemplo, se estiverem almoçando juntos, fale o nome de cada alimento, explique o que está vendo e sentindo. Além disso, lembre-se de sempre conversar com a criança na altura dela e de frente a ela e também de demonstrar que está feliz com qualquer tentativa dela de se comunicar, assim ela se sentirá mais à vontade e motivada a continuar tentando.

Chame atenção da criança em relação aos barulhos do dia a dia como o da chave na porta, do avião, ou dos carros. Aproveite para incentivá-la a imitar alguns desses sons como o do carro (brumm), o do cachorro (au au), e outros, destacando sempre o objeto ou ser referente ao som.

Cante junto com ela (de preferência canções infantis) e conte histórias a ela. Quando for contar uma história, você pode repetir alguma história específica várias vezes, mas usando a criatividade para contá-la de forma lúdica e divertida, fazendo várias entonações diferentes ou até mesmo utilizando alguns objetos, para que a criança realmente se interesse e crie expectativas diante da narrativa.

Não deixe de corrigi-lo

Na hora de corrigir as falas do seu pequeno, tente devolver o que ele disse, porém da forma correta, e adicionando mais palavras formando uma frase.
Assim, quando ele pedir pela sua “dedera” você responde “Mamadeira? você quer sua mamadeira?” para que ele possa aprender ainda mais.

Esse momento de desenvolvimento da fala é muito importante para que seu filho cresça sabendo se expressar bem e de forma clara, por isso esperamos ter ajudado vocês com nossas dicas!

Nós da Pueri Dei ensinamos inglês a nossas crianças desde cedo por conta dos diversos benefícios que tal prática traz. Adotamos a vivência bilíngue em nossas atividades curriculares pois aprender tal idioma tem se tornado cada vez mais importante hoje em dia, e quanto mais cedo inicia-se este aprendizado, melhor.

Inglês é a língua mais falada no mundo, e por isso ela se faz tão necessária na carreira profissional e acadêmica, já que no trabalho, para efetuar ligações e negócios internacionais o domínio da língua é de extrema importância e na vida acadêmica, ao saber inglês, você tem a possibilidade de tentar entrar nas melhores universidades do mundo como Harvard, Yale, Oxford dentre outras. Por fim, entender tal língua te conecta com a cultura popular, visto que você entende diversas músicas famosas, e tem acesso ao trabalho original de vários autores e diretores que lhe interessam.

Agora que demonstramos a importância de aprender a língua inglesa, falta esclarecer os motivos pelos quais optamos por ensiná-la tão cedo. Estudos revelam que aprender algum idioma na infância estimula as funções cognitivas, desenvolvendo melhor o raciocínio e a concentração, e ajudando também na autoestima e socialização. Além disso, a habilidade de aprender uma nova língua é maior entre 2 a 5 anos de idade, então é necessário aproveitar este período de facilidade para que no futuro ele tenha um melhor desempenho e uma boa pronúncia. Porém é importante que a criança envolva-se neste processo de aprendizado de forma natural e lúdica, para que ela tenha uma boa relação com a língua e queira aprender cada vez mais.

Diante desses fatos podemos perceber o quanto esta vivência mudará a vida do seu pequeno e abrirá portas para várias oportunidades futuras. Desejamos que seu filho seja independente e possa seguir seus sonhos e por isso tentamos dar todo o suporte que ele precisa.

Antes de começarmos a falar sobre este assunto, é preciso destacar que crescer é um dos principais fatores que indicam saúde e desenvolvimento no pequeno. Mas não se engane! O fato de seu filho ser baixinho não significa necessariamente que há algo de errado com sua saúde, até porque o que mais influenciará seu crescimento é a genética, sendo responsável por 80% de sua estatura final, de acordo com a SBP (Sociedade brasileira de pediatria).

Outros fatores envolvidos no processo de crescimento da criança são alimentação, higiene, habitação, saneamento básico, e doenças. Assim, ainda existem diversos outros fatores que influenciam no crescimento infantil e muitos deles podem ser controlados pela família da criança, como:

Atividade física

Estudos revelam que a prática de atividades físicas pelas crianças deve ser realizada de forma moderada, e não em excesso, visto que este excesso suga muita energia do organismo, o que prejudica o desenvolvimento. Mas ainda assim, 1 hora de atividade física por dia é imprescindível na rotina de seu filho. De acordo com o professor de educação física Rafael Braga, mestre em Ciências do Movimento Humano e coordenador do curso de licenciatura em educação física da PUC-PR, as atividades físicas estimulam o desenvolvimento de células que formam o tecido ósseo e muscular, aumentando de tamanho e fortalecendo a musculatura.

Alimentação balanceada

A nutricionista Clarissa Fujiwara aponta que uma alimentação carente de nutrientes essenciais, a atividade metabólica do organismo diminui, o que a faz poupar energia e consequentemente, desacelerar o crescimento. Por isso uma dieta rica em nutrientes, repleta de verduras, legumes, frutas, grãos, proteínas e laticínios, faz-se necessária na vida de seu pequeno e do resto da família, afinal, a família precisa dar o exemplo ao filho.

Tempo de sono adequado

Devido ao fato do hormônio do crescimento (GH) ser produzido e liberado no organismo durante o sono, certificar-se em relação a qualidade e durabilidade do sono de seu filho torna-se de extrema importância.

Tratamento oral (suplementos alimentares, hormônio do crescimento)

O hormônio do crescimento (GH) está presente naturalmente no organismo, porém uma dose extra dele é indicada por muitos endócrinos a crianças que têm deficiência de tal hormônio. Este tratamento só pode ser feito mediante receita médica e caracteriza-se por aplicações diárias do hormônio por meio de injeções que podem ser feitas no braço, coxa, bumbum e abdômen. Além disso, o tratamento pode durar até a idade em que as crianças atingem sua maturidade óssea, que no caso dos meninos é 16 anos, e nas meninas, 14.

Dessa forma, existem vários hábitos que podem ser adotados na rotina das crianças que irão ajudá-las a se desenvolver e crescer atingindo seu potencial de altura.

O rendimento escolar das crianças é algo que preocupa desde muito cedo. Muitas vezes, por causa disso, os pais acabam exigindo demais dos pequenos e fazendo com que eles desenvolvam uma certa aversão aos estudos.

Isso, no entanto, é justamente o contrário do que precisa acontecer.

Para que uma criança obtenha resultados acadêmicos positivos é necessário que ela goste e tenha um certo nível de apreço pelos estudos.

Para desenvolver esse gosto e apreço, então, os pais podem colaborar de algumas formas e incentivar os filhos a apreciar os estudos desde cedo.

Pensando nisso, preparamos um artigo explicando algumas dicas que podem ser úteis para fazer com que o seu puerinho desenvolva, desde cedo, uma relação positiva com o estudo e o aprendizado.

Que tal conferir?

Promova o lúdico

É claro que crianças pequenas não vão mergulhar de cabeça em leituras extensas e complexas para estudar e aprender. Nessa fase, o ideal é que os pais encontrem maneiras lúdicas e divertidas de incentivar o aprendizado, como brincadeiras, jogos e gincanas.

A adedonha, por exemplo, é uma brincadeira legal onde os pais podem incentivar as crianças a aprender nomes de animais, objetos e cores de maneira divertida. No final de brincadeiras como essa fale coisas como “viu como é legal aprender, filho?!” para que a criança relacione a diversão ao aprendizado.

Isso fará com que, no futuro, o puerinho não pense que estudar é algo chato e monótono.

Incentive a curiosidade

A curiosidade é o maior pilar de qualquer aprendizado já que, para buscarmos uma resposta, precisamos ter alguma dúvida.

Sabendo disso fica fácil entender o porque da curiosidade ser tão importante nas primeiras fases da vida. É através dela que as crianças começam a tentar entender como o mundo funciona e, consequentemente, aprendem diversas coisas.

Muitos pais consideram que essa é uma fase chata da infância por terem que responder perguntas constantemente, quando na verdade deveriam estar incentivando e alimentando essa curiosidade.

Estimule a criação do hábito da leitura

Enxergar a leitura como uma atividade divertida e leve é essencial para que as crianças desenvolvam gosto por esse passatempo tão importante.

Crianças que não gostam de ler costumam ter mais dificuldades na escola com o passar do tempo, já que passam a enxergar a leitura de livros e apostilas como algo chato e desinteressante.

Isso significa que incentivar a leitura desde pequeno é essencial para que o rendimento escolar das crianças seja o melhor possível.

Lembre-se, no entanto, que os puerinhos devem ler livros apropriados para sua faixa etária. Se você está procurando dicas de obras para crianças de até cinco anos de idade, confira esse outro artigo.

Aposte em pequenas recompensas

Presenteie seu filho com pequenos mimos sempre que ele cumprir tarefas de casa e mostrar interesse por aprender coisas novas.

Isso fará com que o cérebro dele passe a associar o aprendizado e o cumprimento de obrigações escolares com coisas positivas.

Isso não significa, é claro, que você precisa presenteá-lo com coisas muito elaboradas. Qualquer recompensa pequena como um doce, um adesivo ou até mesmo um abraço já causa o efeito necessário.

Crie um ambiente propício para o aprendizado

Não dá pra esperar que as crianças aprendam muita coisa se estiverem em um ambiente com diversas distrações. Por ainda serem pequenas, elas não conseguem evitar a dispersão e, por isso, é importante que as condições do ambiente seja favorável ao aprendizado.

Evite, por exemplo, que o cantinho da leitura e realização de tarefas de casa seja próximo de TVs, computadores e outros aparelhos que podem tirar a atenção do puerinho.

Essas são as principais dicas para que o seu filho consiga desenvolver um apreço pelo aprendizado e, com isso, obtenha um bom desempenho escolar.

Lembre-se que o acompanhamento e incentivo dos pais é essencial para que os pequenos possam ter um desenvolvimento estudantil saudável e adequado.

E aí, curtiu?

Em um mundo cada vez mais tecnológico as crianças parecem só ter olhos para computadores, tablets e smartphones.

Como pais, no entanto, é necessário incentivar os filhos a fazer atividades fora do mundo digital para que o desenvolvimento da criança seja completo. Desde atividades físicas à brincadeiras e jogos de tabuleiro, a diversificação de passatempos é essencial para que os momentos lúdicos da criança sejam aliados ao aprendizado e crescimento pessoal.

Um dos exemplos mais clássicos de brincadeiras educativas que trazem benefícios às crianças é a montagem de um quebra-cabeça.

Pensando nisso, preparamos esse artigo para que você conheça os principais benefícios dos quebra-cabeças para o desenvolvimento dos puerinhos.

Está esperando o que para conferir?

Trabalha a cognição

Por serem estimulantes para o cérebro os quebra-cabeças acabam sendo poderosos aliados no quesito cognitivo.

A cognição é a habilidade de armazenar novos conhecimentos e, a partir dele, obter algum tipo de aprendizado.

Pense, afinal de contas, que o nome quebra-cabeça foi dado por um motivo: esse passatempo faz com que a criança exercite o cérebro e desenvolva habilidades de memória, raciocínio e lógica.

Desenvolve a coordenação

Encaixar as peças de um quebra-cabeça é uma das melhores maneiras de desenvolver habilidades motoras e controle mão-olho. Isso porque, já que ainda não têm noção da distância e manipulação de objetos, as crianças precisam desenvolver essas proficiências para conseguir montar o quebra-cabeça.

O movimento de pinça que fazemos ao juntar o indicador e o polegar para segurarmos um objeto, por exemplo, é uma das habilidades desenvolvidas no jogo.

Aumenta os níveis de percepção

Os quebra-cabeças são passatempos que vão incentivar os puerinhos a observar, analisar e comparar tamanhos e cores para conseguir completar o jogo.

E é por isso que os níveis de percepção da criança se desenvolvem.

Além de serem cruciais na infância, é claro, os níveis de percepção serão importantes durante toda a vida já que, ao longo dos anos, os puerinhos vão acabar se deparando com situações que demandam essa habilidade psicológica.

Promove a interação com a família

Os quebra-cabeças são ótimos passatempos no quesito estreitamento de laços familiares, já que acabam sendo um momento relaxante e tranquilo para que as crianças conversem com os pais e outros membros da família.

Além de ajudar no desenvolvimento físico e psicológico, então, esse passatempo é essencial para estimular as habilidades sociais de convivência e diálogo.

Vale ressaltar também que o quebra-cabeça pode ser resolvido por mais de uma pessoa ao mesmo tempo, o que também ajuda a criar um senso de colaboração e trabalho em equipe nas crianças.

Aumenta a capacidade de resolução de problemas

Enquanto seu filho raciocina e tenta desvendar as formas e cores corretas para que o quebra-cabeça tenha um encaixe perfeito ele acaba desenvolvendo bastante a habilidade de resolução de problemas.

Além do período da infância essa habilidade é indispensável ao decorrer da vida de qualquer pessoa, já que nos deparamos constantemente com situações adversas e obstáculos a serem superados.

Esses são os principais benefícios da montagem de quebra-cabeças para as crianças.

Agora você sabe que, além de ser uma maneira divertida de incentivar as crianças a saírem um pouco do ambiente virtual, esse passatempo ainda ajuda no desenvolvimento dos pequenos.

E aí, o que está esperando para montar um quebra-cabeça com o seu puerinho?

A alfabetização dos filhos é um processo pelo qual os pais costumam ficar bastante ansiosos. A vontade de ver os pequenos escrevendo o próprio nome, começando a ler e aprendendo a se comunicar de maneira não-verbal parece ficar cada vez maior.

Muitas pessoas pensam, de maneira equivocada, que apenas as creches e escolas podem contribuir para esse processo de alfabetização.

A verdade, no entanto, é que os pais são extremamente importantes nessa fase e, por isso, devem aprender a ajudar da melhor maneira possível.

Pensando nisso separamos uma lista de dicas para que vocês, papais e mamães, possam entender as melhores formas de contribuir com a alfabetização dos seus puerinhos.

Que tal conferir?

Leia para o seu filho

A leitura é uma atividade essencial para a alfabetização de qualquer criança. Além de se familiarizarem com a pronúncia de palavras, os pequenos acabam expandindo o vocabulário e aprendendo a diferenciar textos de ilustrações, por exemplo.

Outro ponto importante é que, com o tempo, seu filho perceberá que você lê da esquerda para direita, o que também é importantíssimo nessa fase de aprendizado.

Sendo assim, ler para o seu filho acaba sendo de extrema importância para o processo de alfabetização, além de, é claro, servir como uma momento de qualidade em família.

Caso o seu filho esteja um pouco mais adiantado no processo de alfabetização, incentive-o a ler e desenvolver o gosto pelos livros.

Se você está à procura de sugestões de leitura infantil clique aqui.

Aproveite situações cotidianas

O convívio do dia a dia oferece uma série de oportunidades para incentivar o processo de alfabetização das crianças.

Ao andar na rua, por exemplo, mostre diferentes placas e outdoors e incentive a criança a tentar entendê-los.

Tenha em mente, no entanto, que você deve começar com coisas mais simples e fáceis. Ao encontrar uma placa de trânsito indicando uma curva, por exemplo, pergunte ao seu filho qual é o lado que a placa está indicando. Com o tempo a criança vai aprender a diferenciar esquerda e direita, e assim por diante.

Aproveite rótulos de embalagens

Os rótulos de produtos alimentícios comuns em casa podem ser ótimos aliados no processo de alfabetização.

Isso acontece porque, além de relacionar um nome para um alimento que a criança consome com frequência, os rótulos são escritos na maioria das vezes em caixa alta, que é a primeira forma de escrita que os pequenos compreendem.

Incentive seu filho a ler rótulos de embalagens alimentícias e aprender a associar o nome a cada alimento.

Faça listas com seu filho

Fazer listas é uma das maneiras mais simples de organizar nomes e palavras, portanto, não deixe de tirar proveito disso.

Ao montar uma lista de compras, por exemplo, incentive seu filho a escrever alguns itens. Ao chegar no mercado, peça para ele indicar onde estão os itens que ele escreveu.

Listas de convidados para aniversários também são uma boa opção para incentivar o desenvolvimento da escrita e da leitura.

Sirva de exemplo

Tenha em mente que o maior exemplo que as crianças possuem é o dos pais, por isso, pratique rotineiramente atividades como a leitura e a escrita.

Dessa maneira seu filho tende a se espelhar em você e sentir vontade realizar essas mesmas atividades.

Respeite o ritmo da criança

Muitas vezes os pais acabam sufocando os filhos com atividades relacionadas à alfabetização e, com isso, sobrecarregam os pequenos.

Entenda que cada criança tem o seu ritmo e não cobre o seu filho baseado nas expectativas criadas por outras crianças ou até por você mesmo.

Sendo assim, respeite o tempo do seu puerinho e deixe que ele desenvolva suas habilidades de alfabetização de maneira natural.

Lembre-se: apressar não é ajudar.

Temos certeza que essas dicas serão úteis para que você possa ajudar o seu filho a passar por esse processo de alfabetização.

E aí curtiu?

O calor e as altas temperaturas de estações como o verão podem trazer mal-estar para nós. Entretanto, é possível combater o desconforto causado por elas e ainda turbinar a hidratação das crianças através da alimentação. Por isso, no post de hoje vamos falar sobre bons alimentos para o calor que serão úteis nessa missão. Continue lendo para conferir:

Primeiramente, durante essa estação é fundamental que se invista em cardápios ricos em água. Portanto, vale super a pena chamar a criançada para montar pratos coloridos, cheios de nutrientes e divertidos!

Turbine refeições

Aproveite o calor para enriquecer as refeições diárias com saladas. Acelga, alface e rúcula são alimentos cheios de água e de vitaminas e minerais. Além de montar pratinhos nutritivos, as cores verdinhas vão invadir a cozinha e alegrar o ambiente.

Aposte em frutas

Ofereça frutas suculentas como abacaxi, melancia, melão, morango e tomates para as crianças. Além de ajudarem a saciar a fome durante a tarde, você ainda pode armazená-las previamente na geladeira. Assim a hora do lanche ficará ainda mais refrescante!

Evite industrializados

As ondas de calor são comuns durante o verão. Por isso, prefira oferecer a menor quantidade de frituras e de carboidratos industrializados possível. Além de bolachas recheadas, bolos, chocolates e salgadinhos não auxiliarem na hidratação, não beneficiam a saúde como um todo. Lembre-se: quanto menos caixinhas, mais saúde as crianças terão.

Garanta que os pequenos ingiram líquidos como água, água de coco e sucos naturais. Além de manterem a hidratação, eles são ótimos para o paladar.

A Pueri Dei preza por uma alimentação balanceada e nutritiva durante todo o ano. Aqui os puerinhos constroem bons hábitos alimentares desde cedo!

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog.

Fonte: tricae

No ambiente escolar as crianças recebem ensinamentos que abrangem desde a educação tradicional até a educação socioemocional. A escola é um ambiente privilegiado por isso, já que nela os pequenos tem contato com os conteúdos intelectuais quanto a sabedoria emocional. Ambas serão úteis e os prepararão para a vida adulta. Por isso, no post de hoje vamos falar um pouco sobre a educação socioemocional e sobre como ela funciona. Continue lendo para saber:

Novos perfis de comportamento

Com os avanços das tecnologias de informação, as crianças têm passado mais tempo usando tablets, computadores e celulares. Dessa forma, elas tendem, dia após dia, a se afastar das atividades em grupo. Portanto, isso gera um novo perfil de comportamento. Essa falta de contato com os demais acaba gerando nos pequenos grandes dificuldades para lidar com frustrações, com a necessidade de compartilhar coisas. Além disso, esse afastamento ainda prejudica a construção da empatia nos pequenos.

No que a educação socioemocional é útil?

Ela é fundamental durante o crescimento das crianças, pois busca desenvolver habilidades capazes de ajudá-las a lidar melhor com situações de conflito. Assim, ela reduz a vulnerabilidade dos alunos. Para isso, o diálogo é constantemente incentivado. Isso porque, desse modo os pequenos podem expressar anseios, frustrações e medos.

A Pueri Dei encoraja as crianças a opinar e a falar sobre sentimentos.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog.

Fonte: escoladainteligencia

Imagem: freepik

Atualmente vivemos em contato com diferenças a todo tempo, seja na escola, na rua ou entre os familiares. Conhecemos e convivemos com pessoas sempre! Por isso, é fundamental que ensinemos as crianças a respeitar as diferenças. Confira abaixo 3 maneiras de ensinar sobre tolerância para os pequenos:

Evite destacar as semelhanças entre as pessoas

Quando ressaltamos e elogiamos as pessoas apenas por terem escolhas e opiniões semelhantes, as crianças podem assimilar que o ideal ser parecido com alguém. Portanto, tenha cuidado ao ressaltar e falar sobre as diferenças. Busque sempre deixar claro que, além de naturais, elas são positivas para o equilíbrio entre as pessoas. Além disso, ouvir e conhecer o mundo com o olhar dos outros é uma ótima maneira de ampliar horizontes.

Incentive a empatia

A habilidade de se colocar no lugar dos outros é uma qualidade e tanto. Nos colocando no lugar da outra pessoa, conseguimos entendê-la melhor e respeitar suas escolhas. Por isso, é interessante que estimulemos essa habilidade nas crianças.

Respeite a criança como ela é

O primeiro passo para ensinar e falar sobre tolerância e respeito é respeitando as crianças. Portanto, busque, sempre que possível, respeitar as escolhas dos pequenos. Entretanto, aproveite para ensiná-lo que o respeito é uma via de mão dupla.

A Pueri Dei ensina as crianças, diariamente, maneiras de respeitar e tolerar as diferenças.

Conheça nossa escola!

Ademais, continue acessando nosso blog diariamente.

Fonte: leiturinha

Imagem: freepik